Drones capturam diferentes ângulos de casamentos e custam até R$ 10 mil

A troca de votos e a promessa "até que a morte nos separe" ganharam uma nova testemunha durante as cerimônias de casamento. O "sim" dos noivos agora pode ser visto e registrado de cima, do mais divino dos ângulos, com o uso de um objeto voador (cada vez mais) identificado, que agora passa a ter suas funções exploradas pelo lucrativo mercado casamenteiro: o drone.

Pega de surpresa, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) ainda estuda uma regulamentação padrão e, por enquanto, analisa caso a caso. Monitorado por controle remoto, com hélices e iluminação neon, a engenhoca pode custar até R$ 10 mil ao bolso do casal. "O boom do drone veio depois do casamento do Naldo com a Moranguinho. As imagens são como se os convidados estivessem assistindo ao casamento. Eu usei durante muito tempo a grua e, há um ano, comecei a usar drone nas cerimônias. Falo para todas as noivas: a câmera não chama mais atenção que elas. Na hora do jantar, eu faço uma edição e coloco a imagem da igreja para todo mundo ver. As pessoas acham fenomenal. Como precisamos de três pessoas para operar o drone, cobramos em média R$ 10 mil", explica o diretor da Foto Studio, Reynaldo Cavalcanti.

Imagens aéreas em praia A advogada Thais Amaro e o engenheiro Filipe Ferreira moravam em Niterói, na Região Metropolitana do Rio. O engenheiro recebeu uma proposta para trabalhar no México e os noivos decidiram realizar a cerimônia em Tulum, no caribe mexicano. Para captar a paisagem paradisíaca, eles procuraram o fotógrafo Lucas Magno, que começou a fazer registros com o drone em 2014. "É um ponto de vista diferente, que quase ninguém tem e quase ninguém faz. Além disso, sabíamos que seria perfeito para registrar de uma forma mais panorâmica o cenário, já que estávamos em uma praia maravilhosa. O drone captou com perfeição as cores e o espaço em que nós dois e todos os nossos convidados estávamos inseridos", contou a advogada.

Regulamentação Para fazer as fotos em Tulum, Magno, que possui um drone de médio porte com uma GoPro acoplada, começou a treinar em lugares abertos. Como o aparelho possui hélice, ele explica que o ideal foi fazer o voo na água e em locais onde não houvesse risco de algum acidente. "Aqui no Brasil eles vão apertar a legislação porque é um aparelho que pode machucar dependendo do tamanho. Eu, por exemplo, não tenho como ficar voando em cima das pessoas. Como o casamento foi na praia, eu fiz a orla, a areia, voei na água, porque tem uma hélice e pode cortar e machucar alguém", afirmou o fotógrafo. Em nota, a Anac afirmou que está em processo de desenvolvimento da proposta de regulamentação de operações não experimentais de Sistemas de Aeronaves Remotamente Pilotadas por civis em áreas segregadas. A proposta deverá ser submetida ao processo de audiência pública este ano. A Anac afirma ainda que avaliará caso a caso os requerimentos para esse tipo de operação. De acordo com a agência, para operar o equipamento é necessário possuir o Certificado de Aeronavegabilidade de Voo Experimental (Cave). Para operar um drone é necessário fazer uma solicitação à agência reguladora e aguardar a análise técnica, que dará, ou não, a permissão. Sem o Cave não é permitida a operação e o dono do equipamento está sujeito às penalidades criminais. 'Hélices protegidas' Para garantir a segurança, o fotógrafo Reynaldo Cavalcanti diz que usa hélices protegidas e que faz as imagens onde não há pessoas embaixo. "Sempre tem um assistente e ele tem horas de voo pra isso. Não coloco quem está aprendendo agora para ir a um casamento. Eu faço as imagens no corredor da igreja, na parte do altar onde não estão os padrinhos. Têm alguns cuidados e, ao mesmo, tem segurança também", disse.


Featured Posts
Recent Posts